A Poeira

"A Poeira é um sonho que se realiza todos os dias. É importante que saibam que eu amo o que faço. Tenho esse privilégio, sim. Abri a primeira POEIRA em Lisboa, quando tinha 15 anos, num sobrado emprestado pelo meu tio, na Rua das Janelas Verdes, estamos a falar de 1981. Começou por uma brincadeira e ousadia da minha personalidade. Vendia de tudo, desde botões a mesas e sofás. Bastava encontrar uma coisa de que gostasse, não importava o quê nem para quê, isso eu deixava para os compradores. Divertia-me. Ficava a olhar e a pensar o que teria levado aquela pessoa a escolher esta ou aquela peça. Não era um brincar às casinhas, mas quase!

A Poeira cresceu, não sei se em tamanho mas no sentido em que cresceu no Mundo! Andou por outras ruas, internacionalizou-se e agora em Lisboa, encontra-se de frente para um jardim público, lindo, donde o faço também um pouco meu.

Em 2010, abri no Rio de Janeiro. O Mundo dá voltas, diriam os meus filhos: de rotação e translação! Em 2012, abri também em São Paulo e em Maputo.”